Embora o envelhecimento não signifique doença, algumas enfermidades têm mais incidência em pessoas idosas. Os exemplos são diabetes, hipertensão, artrose, osteoporose, demência, entre outras. Desse modo é bom dar atenção aos cuidados de enfermagem, controlando assim as doenças já adquiridas e prevenindo o surgimento de outras.
Hoje em dia temos a impressão de que novas doenças surgiram. Contudo é bom ressaltar que antigamente as pessoas viviam menos. A Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) lembra, por exemplo, que até a década de 1960 a expectativa de vida média não passava de 54 anos entre os brasileiros. Hoje passamos facilmente dos 76 anos.
Portanto vivemos mais. Entretanto é ponderoso que o passar dos anos seja acompanhado de qualidade de vida. A medicina, por consequência desse contexto, está fazendo sua parte. Mas é conveniente que todas as pessoas que fazem parte do universo do idoso zelem pelos cuidados necessários. Desde o menor detalhe, como a hidratação, até uma intervenção importante, como um exame laboratorial.
Quer saber mais sobre a relevância dos cuidados geriátricos? Acompanhe a leitura deste artigo.

 

Veja a importância dos cuidados conforme o grau de dependência do idoso

Como foi dito inicialmente, os idosos não são necessariamente enfermos. Porém à medida em que são mais dependentes precisam ainda mais do apoio da equipe de enfermagem.
Veja como a Resolução RDC nº 283 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) trata os tipos de dependência:

  • Grau de Dependência I: idosos independentes, mesmo que requeiram uso de equipamentos de auto-ajuda;
  • Grau de Dependência II: idosos com dependência em até três atividades de autocuidado para a vida diária, tais como: alimentação, mobilidade, higiene. Sem comprometimento cognitivo ou com alteração cognitiva controlada;
  • Grau de Dependência III: idosos com dependência que requeiram assistência em todas as atividades de autocuidado para a vida diária e ou com comprometimento cognitivo.
    Nesse sentido, um idoso com grau elevado de dependência necessita de um cuidador ou de um profissional de enfermagem na hora da medicação, de eventuais curativos e do acompanhamento das atividades cotidianas para manter a saúde e o bem-estar.
    Há casos em que um profissional consegue identificar, com brevidade, alterações na saúde da pessoa idosa. Assim, ele pode ter acesso a um diagnóstico preciso e precoce que não permitam a evolução da doença.
    Uma simples febre, por exemplo, pode ser indício de uma infecção que pode se tornar generalizada se não for tratada a tempo. Uma tosse que pode parecer inofensiva pode evoluir para uma pneumonia se não receber a devida atenção.
    Nessa sequência é interessante estar sempre presente na vida da pessoa idosa. Um singelo bate-papo no café da manhã pode indicar como o indivíduo passou a noite, como estão suas articulações, ou seja, se há algo que possa virar motivo de preocupação.

Cuidados de enfermagem que devem fazer parte da rotina do idoso

Como você notou, um olhar mais atento pode evitar o agravamento de enfermidades.
Pessoas mais debilitadas, acamadas ou com mais doenças associadas, precisam de uma atenção constante. Outras já necessitam de cuidados mais básicos.
Por isso veja alguns cuidados que separamos que não podem ficar de fora no dia a dia da pessoa idosa, conforme o seu estado clínico.

  • exames de rotina (hemograma, glicemia, dosagem de colesterol, densitometria óssea);
  • exames preventivos (Papanicolau, mamografia e exame de toque retal e PSA);
  • medicação na hora certa;
  • verificação de pressão arterial;
  • checagem de diabetes;
  • curativos;
  • sessões de fisioterapia e fonoaudiologia (num aspecto mais amplo);
  • acompanhamento da higiene bucal;
  • prevenção de escaras de decúbito (para pessoas acamadas).

Assim, de modo mais abrangente, o profissional da área de enfermagem atua em dois sentidos: para despertar o potencial do idoso e para levar qualidade de vida ao indivíduo.
Nesse contexto o foco da atenção dos cuidados geriátricos na área de enfermagem são:
promoção da saúde;

  • diagnóstico precoce;
  • tratamento imediato dos sintomas;
  • mitigação de danos (programas de reabilitação).

Com a adoção dessas medidas no processo de cuidado ao idoso, os riscos da evolução de doenças não são totalmente eliminados, porém podem ser reduzidos. E isso já é um alento tanto para o idoso quanto para o familiar e todos os que o rodeiam.

A importância do remédio na hora exata

Um dos fatos mais comuns envolvendo o envelhecimento é a ingestão diária de medicamentos. Muitos idosos precisam tomar mais de cinco remédios por dia. Seja de uso contínuo ou não, é preciso contar com uma gestão eficiente.
Isso ocorre porque todo fármaco possui um tempo de ação que varia a cada 6, 8, 12 ou 24 horas. É necessário respeitar esse relógio para que o tratamento tenha os efeitos esperados, e o organismo possa reagir adequadamente.
Devido a isso, o profissional de enfermagem é capacitado para seguir o cronograma da medicação, observando inclusive os efeitos da interação medicamentosa.
Assim sendo se a pessoa idosa queixar-se de muita sonolência, dores estomacais ou constipação, por exemplo, o profissional tem condições de avaliar se as reações estão relacionadas aos tipos de medicamentos.
Alguns remédios, por exemplo, devem ser tomados com o estômago cheio, outros precisam ser ingeridos em jejum. Enfim, todos esses detalhes da gestão de medicamentos exigem uma atenção especial que pode ser negligenciada diante da falta de conhecimento.

Desospitalização

Há ainda um capítulo à parte quando falamos de cuidados geriátricos sob o olhar da enfermagem. É a desospitalização.
Certamente o conceito é muito amplo, mas ele se refere basicamente à assistência feita por profissionais de saúde fora do âmbito do hospital. Assim o idoso tende a ficar menos resistente às orientações médicas, realizando o tratamento com mais eficácia.
Para concluir, os cuidados de enfermagem são auxiliares da promoção da saúde da pessoa idosa, elevando as condições clínicas do indivíduo a um novo patamar. Por isso é tão importante um olhar profissional sobre os cuidados diários daqueles que estão enfrentando uma enfermidade ou simplesmente necessitando de medicamentos para controlar o avanço de uma doença.
Devido à importância da área, profissionais de enfermagem integram a equipe multiprofissional da Cora Residencial Senior. Eles estão sempre atentos aos cuidados geriátricos necessários para o bem-estar dos nossos residentes. E, o mais importante, sempre com muito carinho e empatia.
Quer conhecer melhor nosso atendimento? Entre em contato conosco e agende uma visita.