Não. A Cora respeita a vontade de todos os seus residentes, por isso, nenhuma atividade é obrigatória. Porém, estimulamos a participação de todos, pois sabemos dos benefícios para o desenvolvimento físico e cognitivo, além da socialização, que as atividades propostas geram ao idoso.

Sim. Em muitos casos, os residentes que optam por viver na Cora, não possuem nenhuma restrição médica quanto sua locomoção, ou estado psicológico, portanto, podem se ausentar e retornar ao residencial quando quiserem. Entretanto, é importante que a equipe da Cora esteja ciente dessa vontade e condição.

Sim, o idoso pode, e até deve, personalizar o quarto para que sua experiência na Cora seja ainda mais confortável e aconchegante. Basta que, previamente, nossa equipe seja avisada, para que todos os detalhes da personalização estejam alinhados para o bem-estar e segurança do futuro residente.

O pedido de curatela pode ser feito por cônjuges, pais, filhos, ou algum parente próximo. Em todos os casos deve ter o acompanhamento de um advogado que solicitará o pedido a um Juiz de Direito da Vara Cível ou de Família da Comarca do domicílio da pessoa idosa.

O curador deve, obrigatoriamente, prestar contas de sua administração ao Juíz, sempre que solicitado. E está sujeito a ser destituído da função havendo denúncia, junto ao Ministério Público, por depreciação ao idoso ou ao patrimônio sob sua responsabilidade.

Sim. As visitas são muito bem-vindas 24h na Cora. Acolhemos os familiares e amigos dos idosos para acompanharem nosso dia a dia, uma tarde gostosa de sol, ou algum tipo de atividade no residencial. Muitas vezes as visitas também podem ser feitas para a realização de atividades especiais, fora do residencial.

Infelizmente, por determinação da vigilância sanitária, não são permitidos animais de estimação vivendo com o idoso nas unidades. Mas os familiares e amigos podem levar seus pets e passar o dia com os residentes, pois sabemos da importância deste relacionamento.

Sim. Os familiares podem se juntar aos residentes e fazer uma nutritiva refeição. Basta comprar o tíquete na recepção e degustar dos pratos na companhia dos idosos.

Sim. Alimentações fora do cardápio podem ser oferecidas ao residente, mas, previamente, nossa equipe de nutricionista deve ser avisada, para que a alimentação atenda aos critérios estabelecidos nutricionais e vigilância sanitária.

É o encargo atribuído judicialmente a um adulto capaz para que proteja, zele, guarde, oriente, responsabilize-se e administre os bens de uma pessoa declarada incapacitada, em razão de doença ou de acidente, como Alzheimer ou Acidente Vascular Cerebral (AVC), por exemplo, para reger os atos da vida civil.

É preciso nomear um curador quando o idoso demonstra impossibilidade de compreender a amplitude e as consequências de suas ações e decisões. E somente um juiz poderá declará-lo incapaz, em um Processo de Interdição, e nomear um curador para tomar decisões por ele. Ou seja, por mais que a incapacidade do idoso seja perceptível ou detectada a qualquer tempo, a lei exige uma sentença judicial declarando sua interdição e nomeando seu curador.

Os casos sujeitos à interdição, segundo a lei brasileira, são:

O ideal é planejar com a maior antecedência possível para, assim, conseguir tirar dúvidas sobre diversos pontos. É interessante, então: