Sem forças para coisas simples, como carregar as sacolas do mercado ou caminhar até a padaria? Cuidado, esse é um sintoma da perda de massa muscular. Conhecida tecnicamente como sarcopenia, a doença é comum no envelhecimento e interfere na funcionalidade dos órgãos, no metabolismo e no equilíbrio.
A massa muscular é composta pelos músculos. Eles são importantes e não têm somente função estética. Veja a importância deles para o nosso corpo:

● responsáveis por nos fazer andar e correr;
● estabilizar as articulações, nos fazendo ficar em pé ou sentados;
● regular a posição interna dos nossos órgãos;
● ajudar a movimentar as substâncias dentro do corpo, como alimentos, urinas e sangue;
● responsáveis pela produção de calor durante a contração do músculo, mantendo assim a temperatura corporal.

Devido a isso, você já pode prever o que acontece quando passamos dos 60 anos sem antes cultivar uma vida saudável quando éramos jovens. É importante ressaltar que a perda da massa muscular reflete em todos os aspectos vitais.
Mas o lado positivo dessa reflexão é que essa degradação pode ser prevenida e até certo ponto revertida. Quer saber como? Continue acompanhando este artigo.

Sarcopenia: o que é e seus efeitos

Você já tinha ouvido falar anteriormente em sarcopenia? A palavra tem origem grega. “Sarx” quer dizer músculo e “Penia” significa perda.
Por consequência, a perda da massa muscular acontece gradativamente ao longo da vida. Ela tem início a partir de mais ou menos 40 anos de idade e começa a aumentar dos 50 anos em diante. Aliás, a literatura médica cita que perdemos de 1% a 2% de massa muscular por ano quando envelhecemos. Os principais sintomas são:

● sensação de peso nas pernas e braços;
● passos mais lentos;
● dificuldade de subir escadas;
● mais esforço para realizar qualquer ação que exija força muscular, como pentear os cabelos, lavar a louça ou carregar as sacolas do mercado.

Os sintomas acometem principalmente as mulheres após a menopausa. Desse modo, além das alterações hormonais, os músculos também são impactados nessa etapa. Segundo os médicos, há riscos associados à perda de massa muscular. Veja alguns deles a seguir:

● osteoporose;
● sensação de perda de equilíbrio corporal;
● maior risco de quedas;
● dor na coluna e nas articulações.

E todos nós sabemos que quedas em pessoas idosas podem ter sequelas e outras complicações. Porém, um dos problemas da sarcopenia é o diagnóstico tardio. Conforme os médicos, o idoso tem dificuldade para saber que está com perda muscular.
O peso, por exemplo, continua o mesmo. O idoso vai até a balança e vê que não emagreceu. Isso é consequência da massa gorda, ou seja, o músculo cedeu lugar à gordura.
Além disso, a pessoa idosa acredita que a fraqueza nos movimentos está associada à idade ou, simplesmente, ao cansaço físico.
O tratamento, portanto, está ligado a uma mudança de estilo de vida. A inclusão de exercícios de resistência na rotina e uma nova dieta, rica em proteínas, fazem parte da luta contra a perda muscular no envelhecimento.

Dieta alimentar: importância da proteína

Os adultos que querem ganhar massa muscular geralmente começam a ingerir uma dieta rica em proteínas. Isso porque a substância auxilia os músculos.
Com os idosos em fase de degradação da massa muscular, é a mesma coisa. A proteína de origem animal e vegetal é, portanto, uma grande aliada.
Um levantamento feito pela European Union Geriatric Medicine Society demonstrou que as pessoas com mais de 65 anos devem ingerir de 1 a 1,2 grama de proteína por quilo de peso diariamente. Assim, uma pessoa que pesa 65 quilos deve consumir pelo menos 78 gramas de proteína por dia.
A proteína está presente em vários alimentos, como:

● leite e seus derivados;
● ovo;
● peixe;
● carne de frango;
● carne bovina;
● soja;
● ervilha;
● quinoa;
● chia.

Por consequência, é importante contar com um acompanhamento de um nutricionista para ter uma alimentação saudável e equilibrada.
Com o passar da idade, o organismo tende a resistir a usar recursos para repor as proteínas do músculo. Por isso a massa gorda acaba aumentando. Nesse sentido, é importante intensificar o consumo de ácidos graxos insaturados com o consumo de pescados e castanhas, por exemplo.
Ao passo que se deve evitar a utilização de gordura saturada na alimentação. Ela é muito comum em manteiga, miúdos e óleo de palma.
Mas, como você viu, também é fundamental realizar algum tipo de exercício físico. Veja a seguir como praticar esse novo estilo de vida.

Perda de massa muscular em idosos: como prevenir e reverter esse quadro

A perda de massa muscular ou sarcopenia está presente em 46% das pessoas com mais de 80 anos, segundo a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBB). E, como você pôde perceber neste post, os reflexos atingem a qualidade de vida do idoso.
A melhor forma de prevenção é a prática de exercícios de resistência desde a meia-idade, ou até mesmo antes. Musculação, alongamento, Pilates e Yoga estão entre as atividades recomendadas para fortalecer os músculos e reduzir a massa gorda.
Aliás, a massa gorda presente em excesso no corpo nos traz sensações desagradáveis, como:

● metabolismo lento;
● colesterol alto;
● diabetes;
● problemas cardíacos;
● cansaço excessivo.

Pessoas que praticaram esses exercícios durante muitos anos têm uma reserva muscular maior. Mas isso não quer dizer que elas não terão sarcopenia quando estiverem idosas.
Segundo os médicos, se o idoso estiver numa fase de pré-sarcopenia a situação pode ser revertida com novos hábitos. Mas se já estiver muito avançado é necessário entrar com um tratamento paliativo para eliminar apenas os sintomas, como dores nas articulações.
Concluindo, a perda de massa muscular em idosos está mais presente do que imaginamos no universo do envelhecimento. A perda de músculo sugere tanta preocupação quanto a perda óssea. Isso porque o risco de quedas aumenta, bem como as dores no corpo.
Na Cora Residencial Senior há uma preocupação constante com a qualidade de vida do residente. Isso se reflete no atendimento da equipe multiprofissional e nas atividades diárias para oferecer uma alimentação de qualidade nutricional, bem como evitar o sedentarismo.
Quer conhecer melhor nossa proposta de trabalho e continuar recebendo informações sobre um envelhecimento saudável? Curta a nossa página no Facebook.