Dúvidas frequentes

1 - O idoso é obrigado a participar das atividades?

Não. A Cora respeita a vontade de todos os seus residentes, por isso, nenhuma atividade é obrigatória. Porém, estimulamos a participação de todos, pois sabemos dos benefícios para o desenvolvimento físico e cognitivo, além da socialização, que as atividades propostas geram ao idoso.

2 - O idoso pode sair da Cora?

Sim. Em muitos casos, os residentes que optam por viver na Cora, não possuem nenhuma restrição médica quanto sua locomoção, ou estado psicológico, portanto, podem se ausentar e retornar ao residencial quando quiserem. Entretanto, é importante que a equipe da Cora esteja ciente dessa vontade e condição.

3 - É possível a personalização do quarto do idoso?

Sim, o idoso pode, e até deve, personalizar o quarto para que sua experiência na Cora seja ainda mais confortável e aconchegante. Basta que, previamente, nossa equipe seja avisada, para que todos os detalhes da personalização estejam alinhados para o bem-estar e segurança do futuro residente.

4 - Quem pode fazer o pedido de curatela?

O pedido de curatela pode ser feito por cônjuges, pais, filhos, ou algum parente próximo. Em todos os casos deve ter o acompanhamento de um advogado que solicitará o pedido a um Juiz de Direito da Vara Cível ou de Família da Comarca do domicílio da pessoa idosa.

O curador deve, obrigatoriamente, prestar contas de sua administração ao Juíz, sempre que solicitado. E está sujeito a ser destituído da função havendo denúncia, junto ao Ministério Público, por depreciação ao idoso ou ao patrimônio sob sua responsabilidade.

5 - O idoso pode receber visitas?

Sim. As visitas são muito bem-vindas 24h na Cora. Acolhemos os familiares e amigos dos idosos para acompanharem nosso dia a dia, uma tarde gostosa de sol, ou algum tipo de atividade no residencial. Muitas vezes as visitas também podem ser feitas para a realização de atividades especiais, fora do residencial.

6 - Animais de estimação são aceitos?

Infelizmente, por determinação da vigilância sanitária, não são permitidos animais de estimação vivendo com o idoso nas unidades. Mas os familiares e amigos podem levar seus pets e passar o dia com os residentes, pois sabemos da importância deste relacionamento.

7 - Posso almoçar com meu familiar que está na Cora?

Sim. Os familiares podem se juntar aos residentes e fazer uma nutritiva refeição. Basta comprar o tíquete na recepção e degustar dos pratos na companhia dos idosos.

8 - Posso levar alimentação quando for fazer uma visita?

Sim. Alimentações fora do cardápio podem ser oferecidas ao residente, mas, previamente, nossa equipe de nutricionista deve ser avisada, para que a alimentação atenda aos critérios estabelecidos nutricionais e vigilância sanitária.

9 - O que é curatela?

É o encargo atribuído judicialmente a um adulto capaz para que proteja, zele, guarde, oriente, responsabilize-se e administre os bens de uma pessoa declarada incapacitada, em razão de doença ou de acidente, como Alzheimer ou Acidente Vascular Cerebral (AVC), por exemplo, para reger os atos da vida civil.

É preciso nomear um curador quando o idoso demonstra impossibilidade de compreender a amplitude e as consequências de suas ações e decisões. E somente um juiz poderá declará-lo incapaz, em um Processo de Interdição, e nomear um curador para tomar decisões por ele. Ou seja, por mais que a incapacidade do idoso seja perceptível ou detectada a qualquer tempo, a lei exige uma sentença judicial declarando sua interdição e nomeando seu curador.

Os casos sujeitos à interdição, segundo a lei brasileira, são:

  • Enfermos ou deficientes mentais sem discernimento para a prática dos seus atos;
  • Quem, por causa transitória ou permanente, não estiverem aptos a exprimir sua vontade;
  • Alcoólatras e/ou viciados em tóxicos;
  • Aqueles que dissipam desordenadamente seu patrimônio e rendas.
10 - O que é preciso avaliar antes de decidir por uma ILPI?

O ideal é planejar com a maior antecedência possível para, assim, conseguir tirar dúvidas sobre diversos pontos. É interessante, então:

  • Visitar mais de uma instituição;
  • Conversar com quem já mora na instituição;
  • Conversar com outras famílias e com os profissionais que atuam no local;
  • Checar toda a documentação da instituição, como alvará de funcionamento, alvará sanitário, auto de vistoria do Corpo de Bombeiros, Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) e a Ficha de Inscrição Cadastral (FIC);
  • Verificar quais os profissionais fazem parte da equipe (geriatra, enfermeiro, cuidador, nutricionista, fisioterapeuta, entre outros) e se há atendimento 24 horas;
  • Avaliar as instalações: se as portas permitem o uso de cadeira de rodas, se há corrimãos e barras de segurança, se os pisos são adequados para evitar quedas, por exemplo, se há elevadores para acessar todos os andares, se a iluminação é boa, se a limpeza é bem realizada, se há áreas de convivência e atividades, entre outros;
  • Nos quartos, verificar se há armários individuais, mesmo que o quarto seja compartilhado; se os pertences são identificados; se pode levar objetos pessoais; se o banheiro é seguro e se tem privacidade; se há sistema de emergência (luz de vigília e campainha de alarme); limpeza; entre outros.
  • Segurança do local;
  • Verificar se a alimentação é servida adequadamente, se é elaborada por nutricionistas, se, em caso de necessidade, há dieta especial individual;
  • Se há farmácia própria;
  • Se há atividades para estimular o cognitivo, o físico e a socialização.
11 - Normalmente, como é a adaptação de um idoso quando se muda para uma ILPI?

Quanto mais tranquilo for o processo de decisão, e quanto mais ele participar da escolha, mais rápida e natural será a adaptação do idoso em um residencial. Na Cora é realizado um conjunto de procedimentos para a acolhida inicial do idoso, garantindo segurança até ele se ambientar com a sua nova residência – trajetos para o quarto, refeitório e ambientes de socialização; e participação de atividades.

Em muitos casos, este processo de adaptação é mais demorado para a família. Não ter o idoso em casa, não se sentir, inicialmente, confiante e seguro com a instituição escolhida, entre outros fatores, faz com que os sentimentos fiquem confusos. É como a síndrome do ninho vazio.

12 - Algum órgão fiscaliza as ILPIs?

Sim. Diversos órgãos governamentais fiscalizam estas instituições para avaliar diferentes aspectos, desde a estrutura até o atendimento ao idoso, como a Vigilância Sanitária, os Conselhos dos Idosos e o Ministério Público.

13 - Para quem é indicado uma Instituição de Longa Permanência para Idosos?

As Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs), termo criado pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontolongia, normalmente atendem pessoas com 60 anos ou mais, de ambos os sexos, com diferentes perfis e necessidades:

  • Saudável, com autonomia e independente;
  • Que necessita de apoio para atividades de vida diária, como tomar banho, alimentar-se e vestir-se;
  • Com comprometimento cognitivo (nos variados graus);
  • Em recuperação cirúrgica ou que necessite de reabilitação; e
  • Com doenças crônicas e incapacidades.
14 - A Cora Residencial Senior está localizada em quais bairros?

Temos seis unidades em toda a cidade de São Paulo:

Campo Belo – Rua Demóstenes, 748

Higienópolis – Rua Marquês de Itu, 816

Ipiranga – Rua Antônio Marcondes, 427

Jardins – Rua Leôncio de Carvalho, 98

Tatuapé – Rua Azevedo Soares, 21

Villa Lobos – Rua Professora Helena Moura Lacerda, 131

15 - Estou pensando em colocar um familiar em um residencial, mas sinto culpa. Isso é normal?

É muito comum ter este sentimento nesta tomada de decisão. O que é importante entender é que não se trata de incompetência no cuidado do idoso, e muito menos abandono. Muito pelo contrário. Isso mostra que você está preocupado com o bem-estar, segurança, cuidado e conforto do idoso, o que nem sempre conseguimos oferecer em casa, já que a nossa rotina nos impede.

16 - E o que a Cora oferece?

Os residentes da Cora contam com médicos, enfermeiros, nutricionistas e profissionais de saúde especializados; seis refeições diárias balanceadas e elaboradas por nutricionistas; duas atividades diárias para socialização; suítes individuais, duplas ou triplas, com todo conforto e segurança; limpeza diária e lavanderia para até 70 peças por residente/mês; fraldas, medicamentos, fisioterapia, salão de beleza e locação de equipamento (serviços contratados de acordo com a necessidade de cada idoso); infraestrutura construída especialmente para o bem-estar do idoso; localização privilegiada com seis endereços por toda a cidade de São Paulo; e conforto e cuidado para que cada residente se sinta em casa.

17 - Quais são as opções de serviços da Cora?

Temos três modalidades de serviços:
Para viver, que é uma opção de moradia para idosos. Aqui ele conta com um local estruturado para atender as necessidades, atenção de profissionais capacitados para cuidar da saúde e bem-estar, além de opções de lazer.

Para passar uma temporada, indicado para idosos que precisam de um local seguro e confortável durante curtos períodos, como férias familiares, feriados prolongados, recuperação cirúrgica, entre outros.

Para aproveitar o dia, quando o idoso passa o dia conosco e volta para casa para dormir. É ideal para famílias cujos integrantes passam o dia fora ou para idosos que buscam e desejam fazer atividades que privilegiam o movimento, o convívio e a oportunidade de fazer novas amizades.

18 - Quais são os benefícios de morar em um residencial para idosos como a Cora?
19 - Quem decide a escolha do residencial?

O mais importante é que todos entrem em um consenso. Isso facilitará tanto para o idoso quanto para a família, pois é um processo de adaptação para ambos os lados. O diálogo e obter informações sobre institucionalização e sobre o residencial escolhido são essenciais para que esta decisão seja mais assertiva para todos.

20 - Cuidar em casa ou em um residencial: quais as diferenças?

Se colocarmos na ponta do lápis os custos envolvidos no cuidado do idoso em casa é geralmente mais alto do que em um residencial. Em casa, a família ou o idoso precisa se preocupar com contas para pagar, como aluguel, água, luz, telefone, gás, internet, contratação de profissionais, entre outras; fazer compras no supermercado e preparar as refeições; limpar e arrumar a casa; acompanhar a administração de medicamentos; e há a preocupação de quedas ou, até mesmo, em passeios, onde há riscos de desaparecimentos, para os idosos com a doença de Alzheimer.

Ao morar em um residencial, todas estas tarefas e contas já estão inclusas na mensalidade. Ou seja, diminui a preocupação dos familiares em ter que pensar em cada detalhe do dia a dia.. Na Cora Residencial Senior, por exemplo, são oferecidas seis refeições diárias, elaboradas por nutricionistas; limpeza e arrumação são realizadas por profissionais da instituição; a medicação é administrada, 24 horas por dia, pela equipe assistencial; e o residente também conta com uma equipe multiprofissional composta por geriatras, enfermeiros, cuidadores, nutricionistas, fisioterapias, entre outros profissionais dedicados à disposição. Além disso, em um residencial feito a Cora, o idoso conta com atividades para socialização e bem-estar, evitando que fique sozinho, o que, muitas vezes, acontece quando os familiares cuidam em casa, mas precisam se ausentar algumas horas, dias ou meses por motivos pessoais ou profissionais.